Por Patricia Jacob*
Se alguém me perguntasse qual é uma das características pessoais essenciais que nós, pais, devemos treinar e desenvolver em nossas vidas, eu diria que é a paciência. Como dizia um professor meu, paciência vem de pai-ciência. É a ciência de ser pai…! Sem paciência e compreensão, a gente dificulta muito o relacionamento com nossos filhos.

Não precisamos de paciência para esperar uma florzinha crescer e se desenvolver? Se quisermos acelerar o processo de crescimento dela abrindo suas pétalas à força, vamos danificar seu desenvolvimento, além de machucá-la. O mesmo acontece com nossas crianças: adultos que exigem “comportamentos maduros” de seus filhos podem estar fazendo um mal enorme a eles – provavelmente serão os futuros depressivos. Crianças não são adultos em miniatura que resolvem deliberadamente se “comportar mal”. O que é considerado um mal comportamento para os padrões dos adultos, pode ser um comportamento normal para a fase em que aquela criança se encontra, e se tivermos paciência, tudo o que é normal de cada fase, passa!

Então alguns pais impacientes ou exigentes demais às vezes me perguntam: “Por que esse menino nunca consegue comer sem se sujar ou derrubar alguma coisa?”, “Por que é que eles querem tudo do jeito deles?”, “Será que ele não consegue raciocinar e perceber que aquilo faz mal pra ele?”, “Por que é que eu preciso mandar ele tomar banho todos os dias?”, “Por que é que as crianças são TÃO infantis???”. Ora, simplesmente por que eles são crianças e não mini-adultos! Devemos tomar muito cuidado com nossas expectativas em relação ao comportamento de nossos filhos para não exigirmos além do que eles estão fisica e psicologicamente preparados para atuar.

Até o crescimento físico traz algumas fases “difíceis”: por exemplo, as crianças não têm a mesma coordenação que os adultos já alcançaram. Meninos de cinco ou seis anos não derrubam seu copo de leite porque querem derrubá-lo, eles derrubam porque eles ainda não desenvolveram a coordenação suficiente para prevenir tais acidentes. A coordenação adequada vai chegar, mas não de uma hora pra outra. Tudo tem sua hora. E o que acontece com o amadurecimento físico também acontece com o social, o emocional e o intelectual. Tudo isso vem com a idade e a experiência, mas não com a insistência de um adulto sem paciência.

Então temos que escolher: podemos encher nossos filhos com expectativas e exigências do ponto de vista do adulto e fazer da infância delas uma experiência muito desagradável ou podemos aceitar as crianças nas fases em que estão e como são, guiando-as gentilmente e pacientemente através dos estágios normais de desenvolvimento. No entanto, para que isso seja possível, precisamos também de informação, saber o que é normal ou não em cada fase. Existem dezenas de bons livros sobre o desenvolvimento infantil nas livrarias hoje em dia que podem ajudá-los muito no caminho de conhecer seu filho. Coloco-me disponível a vocês para indicações e dúvidas no meu email, ok?

Paciência a todos!

*Patricia Jacob é psicóloga clínica formada pela USP-SP.