Por Patricia Jacob*
A partir dos 6 meses de idade, mas mais freqüentemente por volta dos 8 meses, a maioria dos bebês desenvolve um súbito medo de estranhos. Começam a reagir de forma ansiosa a pessoas de fora do seu convívio usual como se fossem verdadeiros monstros, com reações extremas de pânico! Alguns bebês não reagem com medo, mas tornam-se extremamente tímidos. Vocês já devem ter passado por isso, ou no papel dos “monstros” ou no papel dos pais, que ficam mortos de vergonha com a situação…!

Se acontecer com seu filho, tente não ficar alarmado com isso. Cerca de 20% das crianças não vão passar por essa fase, mas consideramos que o desenvolvimento desse medo e timidez são sinais importantes de maturidade da parte da criança. Isso significa que eles estão aprendendo a discriminar entre pessoas estranhas e familiares, aprendendo a distinguir o “mesmo” do “diferente”, o “velho” do “novo”.

Outra característica dessa fase é o fato de seu bebê provavelmente já estar engatinhando, e com isso aprendendo que pode ter autonomia pra se separar de você. E ao mesmo tempo em que se sente orgulhoso com esse fato, também começa a entender que ele é um ser separado de você (antes não tinha muita consciência disso). E isso pode se tornar muito ameaçador para seu ele.

Durante esse período, o bebê passa a ficar mais grudado com a mãe e pode rejeitar pessoas com as quais se relacionava facilmente anteriormente. Sair sozinha e deixá-lo em casa, o que antes era feito com facilidade, normalmente se tornam partidas traumáticas, deixando você preocupada e estressada. Para muitos pais , essa é uma fase que traz muitas dificuldades. Alguns começam a se sentir culpados e frustrados por ter outros compromissos alheios ao bebê, ficando “com o coração na mão” quando deixam seu filhinho aos prantos desesperado em casa… Mas não se desespere! Seja paciente com o medo e a timidez de seu bebê e lembre-se que essa é só uma fase pela qual a maioria dos bebês atravessa. E, mais importante, que isso passa!

Vamos para as dicas? Então aqui estão:

1- Explique às pessoas que seu bebê está atravessando uma “fase de timidez”. Peça para que elas não façam movimentos bruscos e súbitos em direção ao bebê. As pessoas têm que dar tempo para que ele se acostume com a presença delas. Dependendo da criança, até aqueles beijos, abraços e apertões dos avós animados chegam a assustar. Um brinquedo pode ser um ótimo meio de aproximação com os estranhos. É muito mais fácil o bebê aceitar a tia Naná se ela tiver um brinquedo ou um objeto interessante na mão: a curiosidade vai ajudar seu bebê a dar conta da timidez rapidinho!

2- Eu sei que é mais fácil, mas nunca saia de casa ou de perto quando seu bebê está distraído. Fazer isso só ajuda aos pais, que não têm que presenciar uma possível crise de choro, mas vai deixar seu bebê ainda mais inseguro. Quando for sair, precisa gastar um tempo se despedindo. Dê abraços e carinhos e lembre-o de que você logo vai voltar. Converse com ele e conte o que vai estar fazendoe com quem enquanto estiver fora. Mesmo se a criança não entender o que você está falando, a voz calma da mamãe vai fazê-lo sentir-se confortado e mais tranquilo e seguro.

3- Você deve fazer um sinal de que está partindo, e este sinal deve ser sempre o mesmo. Uma frase repetitiva que indica que você está saindo (“Tchau, tchau” é suficiente) e uma que indica quando você chegou (“Mamãe chegou” ou “Oi, neném!”, qualquer coisa assim). Junto com isso, você pode fazer sempre um gesto, como um aceno diferente ou um beijo especial.

4- Sempre deixe-o com alguém que o bebê conheça bem e que tenha uma relação próxima e de confiança com ele. Agora não é hora de pedir pra vizinha, que ele mal conhece, tomar conta dele. Outra coisa muito importante, se possível, é você evitar ficar um tempo muito longo fora e principalmente fazer viagens desnecessárias nesta fase.

*Patricia Jacob é psicóloga clínica formada pela USP-SP.