Por Patricia Jacob*
Você costuma ler histórias infantis e contos de fadas pra criançada em casa? Não? Então vou mostrar pra vocês a importância desse simples carinho que os pais podem fazer aos seus filhos. Chamo de carinho, pois uma das funções mais importantes do contar histórias é o estreitamento do vínculo pais-filhos. É uma hora gostosa de se passar juntos, e eles curtem muito e com certeza acham tão gostoso quanto um cafuné bem feito…

Além disso, contar histórias é também uma das forma mais eficazes de se estimular nas crianças o hábito da leitura. Com os contos de fada, eles aprendem o prazer de ler, de soltar a imaginação (o que os filminhos não conseguem fazer, pois trazem tudo pronto), e começam a aprender sobre os fatos da vida e sobre os sentimentos. Esse último ítem é muitíssimo importante para o desenvolvimento emocional da meninada.

As diferentes histórias mostram diferentes emoções, então cada uma vai ajudá-los a elaborar conteúdos diferentes, emoções diversas e é por isso que muitas vezes eles pedem pra você ler a mesma história por vários dias seguidos. Alguns pais ficam enlouquecidos com isso, tentando convencê-los a mudar de roteiro por um só dia, mas eles insistem e é importante que isso seja respeitado. Quando eles tiverem “digerido” as emoções trazidas por aquela história, eles vão partir pra outra, não se preocupem. E tudo bem se uma tal historinha trouxer emoções fortes (alguns choram de pena do personagem ou ficam com medo de alguma situação). Não pare de contar, a não ser que a criança peça. E se ela pedir de novo no dia seguinte e chorar de novo, não se preocupe: ela está apenas aprendendo a viver as emoções e isso logo passa.

Temos por aí muita variedade de bons livrinhos infantis, mas nada como o velho conto de fada…. Bruno Bettelheim, um psicólogo que dedicou muito estudo a cada uma dessas historinhas, diz o seguinte: “Há histórias que prendem a atenção dos pequenos, mas são as folclóricas que realmente enriquecem, porque estimulam a imaginação, tornam claras as emoções, reconhecem plenamente as dificuldades da criança, suas ansiedades e aspirações, sugerem soluções para os problemas que a perturbam e promovem a confiança nela mesma e no seu futuro.”

Por último, não se esqueça de contar as histórias sempre com intensidade, fazer vozes diferentes, dramatizar emoções… Assim você e seu filho irão curtir muito mais…!

Boa leitura!

*Patricia Jacob é psicóloga clínica formada pela USP-SP.